_________CLIQUE NA IMAGEM E CONFIRA NOSSO CATÁLOGO_________

______________CLIQUE NA IMAGEM E SAIBA MAIS____________

quarta-feira, 15 de setembro de 2021

MULHER CUMPRE PENA ALTERNATIVA NA PRODUÇÃO DE REMÉDIOS ARTESANAIS: “UM MAL QUE SE TORNOU UM BEM”

 O Centro de Saúde Alternativa de Muribeca (CESAM), que trabalha há 23 anos na produção de remédios artesanais a base de ervas, é uma das instituições parceiras da Gerência de Penas Alternativas e Integração Social (GEPAIS), órgão da Secretaria de Justiça e Direitos Humanos (SJDH), no acolhimento aos cumpridores de pena de prestação de serviços à comunidade. Há pouco mais de um mês conta com a colaboração de Maria Jadelha Silva, que foi acusada de um pequeno delito e encaminhada para cumprir pena alternativa em contato com a natureza.

 A aplicação das alternativas penais como forma de punição tem como objetivo levar o autor do fato à reflexão sobre o delito e a promoção da integração desse cumpridor com a comunidade em que está inserido, através da prestação de serviços. De acordo com a gerente da GEPAIS, Raquel Brandão.

 “O caso de dona Maria exemplifica bem isto, uma vez que a mesma está aprendendo uma nova profissão, e ao mesmo tempo está cumprindo com o determinado pela justiça”.

 No CESAM, Maria é responsável por datar os rótulos dos remédios que servem para várias doenças. Tem lambedor para tosse, tintura de Mulungu para insônia, Alcachofra para o fígado, além de sabonetes de melão de São Caetano e aroeira, entre outras plantas. Tudo é vendido na comunidade e em feiras orgânicas.

 “Já recebemos três cumpridores aqui. Acho necessário contribuirmos com esse trabalho. Maria nos dá uma grande ajuda datando rótulos de remédios muito procurados, como os lambedores de xambá, angico e acerola, bastante procurados durante a pandemia”, ressalta Giselda Alves da Silva, uma das coordenadoras do Centro.

 Para Maria, a produção dos remédios artesanais é um novo desafio. Mas ela garante que está sendo prazeroso.

 “Estou no cumprimento da pena, mas aprendendo um outro ofício, observo como se faz o remédio, o nome das ervas e para que servem. Costumo dizer que foi um mal que se tornou um bem para mim”, revela.

 Atualmente, as 15 Centrais de Apoio às Medidas e Penas Alternativas do Estado (CEAPA) acompanham uma média de 1.827 cumpridores. 

Do: Blog Agreste Notícia Fonte: Assessoria 

Nenhum comentário: