_________CLIQUE NA IMAGEM E CONFIRA NOSSO CATÁLOGO_________

______________CLIQUE NA IMAGEM E SAIBA MAIS____________

quarta-feira, 9 de setembro de 2020

“O ELEITOR ‘TABOQUINHA’ REALMENTE TÁ DE ‘SACO-CHEIO’ DESSA NOVELA”, DISPARA ERNESTO MAIA


 Com quatro mandato de vereador em Santa Cruz do Capibaribe, Ernesto Maia (PCdoB), foi o entrevistado desta terça-feira (08), do programa 30 Minutos de Prosa transmitido através da FanPage do Blog Agreste Notícia e apresentado pelo comunicador Sidney Lima.
 Na oportunidade, o Parlamenta falou de vários assuntos relacionados a política, como as mudanças e dificuldades da eleição do dia 15 de novembro, em virtude da pandemia do Covid-19, bem como, da situação do grupo denominado ‘Taboquinha’.
 Ao avaliar o Governo do prefeito Edson Vieira (PSDB), o Vereador não poupou críticas, afirmando ser uma gestão com muitos problemas de corrupção e estruturais.
 “É uma gestão que durante todo esse tempo teve muitos problemas de corrupção denunciados inclusive por nós, muitos problemas estruturais da cidade que não foram resolvidos”.
 Perguntado sobre o possível anuncio do nome de Helinho Aragão (PSB) para compor chapa com o empresário Fábio Aragão, pré-candidato a prefeito, Maia considerou que todo o processo de escolha foi muito conturbada e que não sabe se as sequelas serão supridas.
 “Esse processo foi muito conturbado, esse processo tem tido reflexo inclusive no eleitor ‘taboquinha’, o eleitor ‘taboquinha’ realmente tá de ‘saco-cheio’ dessa novela, até certo momento foi mal conduzida essa questão e isso fez com que, isso tivesse sequelas e não sei se a campanha vai conseguir suprir essas sequelas”, disse completando: “Mas de fato, caminha-se para o entendimento do Fábio, pré-candidato a prefeito e Helinho, pré-candidato a vice, mas aí, nós vamos aguardar os fatos que irão acontecer, para que a gente possa dizer o que vai acontecer na eleição desse ano com meu grupo político”.
 Ao ser questionado se apoiaria uma eventual chapa de Fábio e Helinho, o vereador Comunista disse que está aberto a conversa, no entanto, considera que da forma que tem sido feito, está sendo quase uma imposição.
 “Tudo tem conversa, mas eu acho que deveria ter sido uma questão que não fosse imposta e da forma que tá sendo, tá sendo quase uma imposição, acho que para o nosso eleitor teria sido muito mais importante, mas em virtude principalmente da gente ter sempre dado o apoio inquestionável ao Helinho Aragão, eu acho que a gente pode conversar sim”.
 Estimulado para explicar quem teria imposto o nome de Fábio para concorrer ao cargo de prefeito, Ernesto pontuou que a decisão foi de cima para baixo e que o grupo sente na pele as sequelas disso.
 “A gente sabe que essas decisões foram tomadas no Recife, infelizmente foram de cima para baixo e a gente tá sentindo na própria pele as sequelas em relação a isso. Se esse processo tivesse sido bem pensado, tempo atrás, hoje poderíamos estar com uma campanha com 100% de certeza de vitória, hoje paira muitas dúvidas por essa questão não ter sido bem resolvida, uma própria junção entre Fábio e Helinho não garante que o eleitor vai acompanhar essa decisão”, comentou o entrevistado acrescentando: “O problema foi do processo político e não da chapa, o grande problema agora é juntar os cacos e tá difícil”.
 Para Ernesto, seu tio José Augusto deve acompanhar a decisão de Helinho, pois entende que tem uma dívida com o mesmo, por ter tido o nome rifado na eleição de presidente da Câmara.
 “Zé sempre foi muito claro sobre a posição que ele iria tomar, ele apoiou incondicionalmente a pré-candidatura de Helinho Aragão para prefeito, deu carta branca para Helinho decidir o seu destino e baseado em uma decisão, inclusive de aceitar um vice, Zé Augusto já afirmou ao próprio Helinho que iria manter sua palavra... Zé nessas últimos reuniões, sempre deixou claro que tinha uma dívida com Helinho, principalmente em relação, pela não eleição de Helinho lá na Câmara e que apoiaria a decisão de Helinho”.
 Por fim, o vereador Ernesto Maia considerou que, a formação de uma chapa entre Fábio e Helinho resolve o problema parcialmente, pois será uma missão muito difícil, segundo ele.
 “Resolve por cima, não na base que é o mais difícil, que é o eleitor que vota... É uma missão muito difícil, veja que estamos indo para uma eleição sem comícios, uma política com um candidato que nunca foi testado nas urnas, é de fato uma missão muito difícil!”.
Assista a entrevista na integra:

Do: Blog Agreste Notícia

Um comentário:

Anônimo disse...

O povo deixou de ser besta não existe mais Taboquinha nem boca preta lado azul ou vermelho ele vai ver o resultado nas urnas.