segunda-feira, 14 de maio de 2018

CASAL DE SANTA CRUZ DENÚNCIA HOSPITAL DE CARUARU POR SUPOSTO ABORTO PROVOCADO POR TERCEIROS E DESAPARECIMENTO DE CORPO


 O Hospital e Maternidade da Casa de Saúde Bom Jesus de Caruaru, Agreste de Pernambuco, é alvo de uma denúncia feita pelo casal Ana Paula Silva Moraes e Marcus Santos Azevedo de Santa Cruz do Capibaribe, que denunciaram no Ministério Público de Pernambuco (MPPE) e na Delegacia de Polícia que instaurou inquérito para investigar, o suporto aborto provocado por terceiros (funcionários da unidade hospitalar), bem como, o desaparecimento do corpo de sua filha que se chamaria Pietra.
 A mesma denúncia ainda foi oferecida na Secretaria da Mulher, CREMEPE - Conselho Regional de Medicina de Pernambuco - e na Secretaria de Saúde.
 O drama do casal que procura por justiça, iniciou-se a um ano quando Ana Paula que estava com 20 (vinte) semanas e 4 (quatro) dias, ou seja, cerca de cinco meses de gravidez, se sentindo mal, deu entrada na unidade hospitalar, apresentando fortes dores nas costas e perda de líquidos. O médico que atendeu a paciente, e não teve o nome revelado, informou que possivelmente seria uma infecção urinária que foi confirmada através de exames realizados naquela oportunidade, mas que só foi obtido, o resultado pelo casal, depois de muitos esforços.
 Ainda de acordo com as informações que constam na denúncia, o médico negou-se a examinar a paciente alegando que o medico competente para tal ação, seria o mesmo que acompanhava o pré-natal e prescreveu uma injeção do medicamento “Buscopan” que foi aplicada em Ana Paula que foi liberada sem seguida, mesmo sentindo dores e perdendo líquidos.
  No dia seguinte, como não houve melhoras, a mulher foi levada as pressas para o mesmo hospital aonde foi colocada na sala de observação. O tipo sanguíneo de Ana Paula é do tipo O-, mas na triagem foi preenchido no sumário de admissão e alta como B-. Para os advogados do casal, é evidente o erro grosseiro, que pode ter gerado danos absolutamente irreparáveis.
 Ainda aguardando o atendimento, a paciente foi abordada pela Enfermeira Chefe, que também não teve o nome revelado, que teria dito em tom altamente agressivo: “Se você for de Santa Cruz do Capibaribe não pode estar aqui” e gritando continuou “Não sou Deus para dar vida. Sou funcionária pública” se retirando e minutos depois retornando perguntando se a paciente estava sentindo dores, apertando com os dedos a barriga da mesma e informando que, se ela, não quisesse permanecer no hospital era só assinar o termo e ir embora.
 Ainda na denúncia consta que, a paciente foi examinada por um médico que constatou que o coração do bebê batia – BCF (Batimento Cardíaco Fetal) a 102bpm, mesmo assim, o profissional informou que o mesmo estava morto e que a paciente estava acometida de infecção urinária. O mesmo médico teria atestado o atendimento equivocado realizado na gestante no dia anterior.
 O médico, segundo a denunciante, fez três toques de maneira absolutamente grosseira e minutos depois, quando se dirigiu ao banheiro que fica a aproximadamente três metros de onde estava internada, a bolsa se rompeu (estourou), sendo instruída a tomar banho e retornar para a sala de observação aonde foi medicada e submetida a exame de sangue. Após isso, foi encaminhada para a enfermaria pré-parto aonde permaneceu por toda a noite sentindo dores e recebendo medicações sem saber qualquer informação do que estava sendo aplicado.
 No dia seguinte, Ana Paula foi atendida por outra mulher, que ela acredita ser médica. Foi informada, que, o bebê havia sido infectado e mesmo se nascesse vivo ou morto, não seria viável. Ressaltasse ainda, que, até o momento em que deu entrada na unidade, a gestante não tinha sido alimentada, já que a unidade hospitalar não ofertou qualquer tipo de alimento.
 Consta no Prontuário Médico que foi administrado para a gestante, na manhã do dia 15 de maio de 2017, a medicação “Misoprostol” que possuí efeito “abortivo” – sem o consentimento ou conhecimento da paciente, mesmo não tendo sido mais realizado nenhum exame que atestasse a condição vital do bebê.
 Na denúncia consta ainda que, a paciente ficou das 10h até às 15h com apenas a embalagem do soro, ou seja, sem o soro e sem medicações para sanar as dores que sentia, mesmo tendo pedido as enfermeiras por diversas vezes pela reposição.
 Ás 15 horas foi realizada uma ultrassom que apontou quê o feto não tinha vitalidade, porém, o tal exame não mostra imagens do feto como qualquer ultrassonografia obstétrica.
 “O hospital aplicou primeiro o aborto para depois realizar uma ultrassonografia obstétrica, sem informar absolutamente nada a paciente, que tomou conhecimento que lhe fora prescrita tal medicação, apenas quando folheou a cópia do Prontuário Médico que lhe foi entregue alguns dias após o fato ocorrido”, diz os advogados na denúncia.

 Após a realização do exame, a paciente foi ao banheiro e sentiu a criança nascendo, deitou-se e pediu para a acompanhante chamar a enfermeira que ao chegar juntamente com outros profissionais, a criança já estava com a cabeça para fora. Foi informado que seria feito os procedimentos, mas sem especificar quais. A criança nasceu, foi feito o corte do cordão umbilical e o corpo colocado em um papel.
 Ao pedir para ver a criança, percebeu que o peito do recém-nascido subia e descia, como se estivesse respirando lentamente, mas os profissionais logo saíram às pressas do quarto informando que iriam pesar e medir a criança.
 A paciente solicitou a presença da Assistente Social para tentar entender o que havia ocorrido, mas a mesma não compareceu, e foi atendida pela mesma mulher que realizou os procedimentos que de maneira insensível disse que a criança “não era viável e que seria descartada junta com a placenta” no lixo, deixando Ana Paula em choque.
 Somente por volta das 22h a paciente foi encaminhada para uma sala aonde foi feita a curetagem, tendo o procedimento sido encerrado às 2 horas do dia 16 de maio, quando ainda a denunciante estava anestesiada.
 A declaração de óbito só foi confeccionada no dia 22 de maio, uma semana após o fato e o corpo descartado afastando a possibilidade da atuação do S.V.O. – Serviço de Verificação de Óbito – e realização do sepultamento.
 O Blog Agreste Notícia tentou contato com a direção do Hospital e Maternidade da Casa de Saúde Bom Jesus, para falar sobre o assunto, porém, sem sucesso.
Do: Blog Agreste Notícia

Nenhum comentário: