sábado, 11 de fevereiro de 2017

TRABALHO DE AMBIENTALISTAS SANTA-CRUZENSES É DESTAQUE NO JORNAL NACIONAL

 O trabalho de alguns ambientalistas da cidade de Santa Cruz do Capibaribe foi destaque em uma matéria veiculada no Jornal Nacional da Rede Globo. Clique AQUI e confira a reportagem.
 A estiagem longa que tem sido enfrentada por milhões de brasileiros da região Nordeste está levando animais selvagens para perto das propriedades rurais e das pessoas.
 A imagem do rio seco impressiona. Tudo lembra um deserto. Foi assim que um bicho nunca visto no Agreste de Pernambuco apareceu no sítio do seu Virgílio.
 “Eu vi aquele animal atacando um cabrito meu. Ele deu um bote e quando eu olhei, um relâmpago, pulou a cerca com um cabrito e saiu correndo”, conta Virgílio Pereira Barbosa, agricultor.
 Depois do susto, o agricultor procurou um grupo de ambientalistas para tentar descobrir qual o animal tinha atacado o cabrito.
 “Nós começamos a montar uma estratégia para fazer uma visita nos arredores e tentar pegar alguma imagem desse animal”, relata o biólogo Pablo Ricardo Pereira.
 Eles colocaram cinco câmeras em locais onde havia água e filmaram uma imagem inédita no Nordeste brasileiro: uma família de pumas, da espécie puma jaguarundi. O puma era encontrado nas florestas da América do Norte até a América do Sul, mas hoje está ameaçado de extinção.
 A mãe, vermelha, e dois filhotes, um cinza e um vermelho, chegam sedentos em um poço natural, que secou. Adultos, eles podem medir até 1,40 metro e pesar dez quilos.
 Os pumas farejam, andam de um lado para o outro, mas não encontram água. Esses animais estavam escondidos no meio da caatinga, mas por causa da seca eles começam a se aproximar das casas dos agricultores. Estão atrás de água e comida.
 A região sofre uma das piores secas da história. A barragem de Jucazinho, após uma estiagem severa está completamente seca. Pequenos reservatórios também estão vazios.
 Os ambientalistas registraram, com fotografias, outros animais em busca de água. São raposas, seriemas, tamanduás e gatos do mato.
 “A luta da sobrevivência desses animais é algo que tem tocado a gente. A imagem do puma com o focinho sujo de lama retrata muito bem isso, retrata a dureza que é sobreviver nesse bioma. Estamos acostumado com um, dois anos sem água, mas estamos indo para o sexto ano consecutivo de seca”, afirma Bruno Bezerra, coordenador do projeto Bichos da Caatinga.
 Os ambientalistas afirmaram que o puma não ataca se não for ameaçado. Mesmo assim, eles pedem que os agricultores não se aproximem dos animais e chamem a polícia ambiental se encontrarem algum.
Do: Blog Agreste Notícia Fonte: G1

Nenhum comentário: