domingo, 18 de setembro de 2016

“VOU FAZER AQUILO QUE DR. EDSON E ROBERTO ASFORA NÃO FIZERAM”, GARANTE SANTOS

 Na sexta-feira (16) foi realizada a última entrevista da série com candidatos a prefeito por Brejo da Madre de Deus. Nos estúdios da Rádio Polo FM, o entrevistado pelo radialista e blogueiro Ney Lima foi o candidato Santos de Josa (PV).
 Começando a vida pública desde 1995 quando foi candidato a prefeito por Brejo pela primeira vez, Santos de Josa afirmou possuir outras tentativas eleitorais, destacando três disputas ao cargo de vereador, uma como candidato a deputado estadual em 2002 e agora a sua segunda tentativa de ser prefeito nestas eleições.
 Nova tentativa de terceira via e críticas a Dr. Edson Souza e Roberto Asfora - Santos de Josa falou sobre suas candidaturas ao longo de 1995, mas relatou insucessos eleitorais. Segundo o mesmo, isso aconteceu por não compor com adversários de grupos tradicionais e relatou também ter recebido ofertas políticas e financeiras para aderir a um desses grupos. Segundo ele, elas não foram aceitas para não trair apoiadores.
 “Na eleição de 2008, eu estava como pré-candidato a prefeito e eu recebi um convite para ele investir em minha campanha. Me ofereceram dinheiro e eu não quis porque eu tinha compromisso com um deputado federal que me ajudava, Pedro Eugênio (já falecido). Rejeitei uma oferta de R$ 200 mil porque sabia que não era minha linha, não me arrependi. Quem pegou, se elegeu, mas hoje não falam do nome dele para não contaminar o palanque em que está hoje”, disse.
 Santos de Josa foi questionado sobre os insucessos de se tentar emplacar uma terceira via, já que cidades da região possuem uma grande polarização em dois grupos. Sobre esse ponto, o candidato fez diversas críticas a nomes fortes dos grupos tradicionais como o prefeito Dr. Edson Souza (PTB) e o ex-prefeito Roberto Asfora (PSDB).
 “Eu quero que o povo mande em mim. Não quero ser mandado por Dr. Edson, por Edson Vieira ou por Roberto Asfora. Quero ser o representante do povo e dar uma oportunidade de dizer que ele se identifica comigo, esse cara que eu coloquei para representar eu posso bater na porta dele” e completou: “Sou candidato a prefeito porque não aguentei as enganações daquele gestor que hoje comanda Brejo. É um governo maquiado, que diz que é um governo de uma união que não existe, e sim muita traição”, pontuou.
 Supostos convites indecentes feitos por Hilário Paulo e Josevaldo de Mandaçaia - O candidato foi questionado sobre declarações dadas, a imprensa brejense, de que teria recebido “convites indecentes” para que desistisse de seu projeto eleitoral.
 Ao responder, Santos de Josa faz críticas à tentativa de Dr. Edson em concorrer mais uma vez a prefeitura, destacou a disputa interna dentro do grupo quanto à escolha do nome do candidato a prefeito e destacou que esse suposto convite teria partido dos candidatos Hilário Paulo (PSD) e Josevaldo de Mandaçaia (PRB).
 “Eles queriam conversar comigo, com minha família. Eu os convidei, fiz um jantar para eles. Foram lá para casa, jantaram comigo, me deram uma pressão para que eu desistisse que, no outro dia, minha esposa parou no hospital. Me ofereceram a metade da prefeitura de Brejo. Eu disse: ‘Se isso fosse de vocês, vocês não dariam’. Isso é patrimônio do povo, vocês não podem me dar uma coisa que não é de vocês. Não vou desistir de minha candidatura. Ele chegou para minha esposa e disse: ‘Dona Mércia (esposa), dê um conselho ao seu marido, porque ele poderia pegar 200 ou 300 mil que ele vai gastar nessa campanha e viajar para a Europa ou Estados Unidos. Eu tive problemas sérios com a minha família porque eles queriam que eu não fosse candidato, mas a melhor coisa é fazer o que se gosta. Hilário, quando disse isso, ela disse: ‘Eu já briguei muito com ele, mas digo que, se meu marido não for candidato, ele será desmoralizado. A conversa que roda é que Dr. Edson vai dar R$ 20 mil a ele para desistir da campanha, mas ele será candidato a prefeito’”, pontuou.
 Propostas para a agricultura, recursos hídricos e meio ambiente - Entre suas propostas, o candidato falou que, caso eleito, irá ampliar a Feira do Verde, promoverá a revitalização do Rio Laranjeiras, implantará saneamento básico na comunidade de Cavalo Russo, fazer uma represa em Anjinhos para aumentar a vazão no conhecido “Banho do Escorrego” e concluir a construção da Barragem do Rego. Sobre esta última, ele voltou a fazer críticas a Dr. Edson e a Roberto Asfora.
 “Eles nunca tiveram a preocupação de concluir essa barragem, talvez porque, quando se fala em barragem em Brejo, só lembra o nome (do ex-prefeito) Zé Inácio. Talvez, eles quisessem apagar a imagem sabendo eles que, se a concluíssem, iriam promover o nome de Zé Inácio”, disse.
 O candidato citou que entende com que outras cidades enfrentem o problema da falta de água, mas não entende porque, segundo ele, Brejo teria mananciais.
 “Eu vi os dois candidatos principais dizerem que vão furar poços, que vão colocar carro pipa. Outro disse que fez cisternas, que são programas do Governo Federal. Se apropriam de outros para dizerem que foram serviços seus. Eu quero fazer barragens em Brejo da Madre de Deus. Quero me comprometer com o povo de Brejo, mas fazer a barragem do rego, fazer a transposição da barragem de Jenipapo, ter agua de qualidade para Barra de Farias, Quatis, Fazenda Nova, Fazenda Velha, Mandaçaia, Catolé, Quatis, Itaúna e sítios São Pedro e São Paulo. Já a Barragem de Santana fica para Brejo e outros municípios”, pontuou.
 Propostas para Habitação e novas críticas a Asfora e Dr. Edson - O candidato foi questionado quanto ao déficit habitacional presente em Brejo da Madre de Deus. Na história recente, o distrito de São Domingos foi alvo de ações do programa “Minha Casa, Minha Vida” do governo federal que proporcionou a construção de centenas de moradias populares, porém, segundo o candidato, a sede teria ficado de fora de uma etapa do programa que viabilizaria 700 novos imóveis, com parcelas de R$ 80,00 mensais.
 Questionado sobre o porquê de isso ter acontecido, ele foi enfático na resposta:
 “A cidade de brejo foi vítima de uma covardia com esses gestores que por aqui passaram nesses quatro anos. A Caixa Econômica estava com recurso para 700 casas para Brejo, e lá em São Domingos, as casas são para quem tem um poder aquisitivo maior. As casas que iam para lá (a sede) se ia pagar 80 reais por mês. Iriamos ter 700 casas para se pagar 80 reais e você seria o dono, já que a média de aluguel na sede é de R$ 150. A minha revolta é que, esses gestores, Edson Souza e Roberto Asfora foram covardes e omissos. Só dependia deles o projeto de expansão urbana. O dinheiro estava na Caixa e eles não mandaram o Projeto de Lei para a Câmara votar. Prometo que, se o recurso estiver disponível em 2017, vou bater no gabinete do Ministro Bruno Araújo e tenho créditos com ele. Fui seu eleitor em 2012 e 2014 e ele me disse que eu seria bem recebido. Essa dívida, ele tem comigo e com o povo”, pontuou.
 Falta de base política fora de Brejo para busca de recursos - Questionado sobre o candidato não ter uma base política consolidada para busca de recursos para o município em caso de eleição, o candidato citou que, segundo o mesmo, isso poderia ser resolvido com relativa facilidade.
 “Além de Bruno Araújo, o que tem de deputado que corre atrás de prefeito, não é brincadeira. Tenho uma irmã que trabalha como jornalista em Brasília e ela tem um ciclo grande de amizades. Lá, eu garanto que deputado não vai faltar. Procurarei Humberto Costa e, se ele é senador e está a serviço de Pernambuco, não terei dificuldade em buscar com ele os projetos para a minha cidade”, disse. 
 Promessa de construção de uma Escola Técnica - Outra proposta dita por Santos de Josa seria a construção de uma Escola Técnica Estadual (ETE), nos moldes as que existem em outras cidades do estado. Questionado sobre como ele poderia viabilizar tal estrutura, mesmo com a falta de apoios políticos, ele fez críticas a adversários e citou como isso, segundo ele, poderia ser executado.
 “Dr. Edson colocou uma maquete dizendo que ganhou uma Escola Técnica. Isso foi mais uma enganação política, mas vou buscar o Governo do Estado para se capacitar as pessoas em Brejo. Isso aconteceu com as pessoas que fazem os Toyotas, que buscam voluntariamente essa capacitação, mas vamos buscar com o governo essa ETE. Com o SEBRAE, vamos viabilizar esses cursos. Vamos buscar recursos e Brejo merece. Vou cobrar porque, se o prefeito anunciou, mostrou maquete e não fez, eu vou buscar. Quero ver Brejo capacitado e gerar empregos. Não vou fazer como Roberto Asfora, que disse que faria uma indústria, mas não fez nada. Não vou fazer como Dr. Edson, que disse que faria um distrito industrial, doou terreno e não fez nada, mas vou fazer”.
Ouça a entrevista com o candidato na íntegra:
Do: Blog Agreste Notícia Fonte: Blog do Ney Lima

Nenhum comentário: